O serviço público de educação é um pilar essencial e imprescindível de uma democracia que, por definição, garanta a igualdade de oportunidades e o desenvolvimento integral de uma sociedade moderna.

«Antologia Poética do Chá»

Disponível para consulta na BECRE

Oferta da professora bibliotecária Florinda Bogas da Escola Secundária/3 de Barcelinhos

"As actividades de uma biblioteca permitem partilhar, ensinar e educar, interagindo com toda a comunidade educativa, contribuindo para uma escola de sucesso. Este é o grande desafio do projecto de edição de um livro com poemas de alunos, professores e restantes agentes educativos da Escola Secundária de Barcelinhos, ilustrados pelos alunos de Artes Visuais da Escola Secundária Alcaides Faria. (...)
A iniciativa chá de livros, é o exemplo de como podemos conciliar o chá com os seus mistérios, cheiros e sabores diferentes, com as letras, as palavras, a pintura, os livros e os autores que originou "Antologia Poética do Chá", resultado de um conjunto de emoções vividas e sentidas numa escola."
                                                         
Fonte:
Introdução

Chá e Poesia

Não tenho definição de poesia,
Nem de poeta.
Só sei que bebo rimas, palavras,
Como chá reconfortante em noites de trovoadas.

Tal como o aroma do chá,
A poesia solta um leve aroma de calma,
Um aroma que se sente e cheira no fundo da alma.
Aroma que me acalma.
Como acalma o bater do coração.

A textura de uma chávena de chá,
A sua cor e forma requintadas,
Traduz o requinte de uma poesia bem elaborada,
Mostra-nos a leveza das palavras que nos tocam,
Que nos tocam e nos tornm sensíveis
À arte dos apetecíveis.

Posso então concluir,
Que na essência do chá
Tomo um lindo poema
Poema que se torna prazer,
O prazer das palavras beber.


(Marina Costa)

Para ti, chá

Cheguei! Estava de rastos! Ainda ouvia a voz da professora a martelar nos ouvidos.
De repente, olhei para a bancada da cozinha e lá estavas tu. Fumegavas. Olhavas, uma vez mais, para mim, com aquele olhar matreiro que me pedia que fizesse dos nossos corpos um.
Não hesitei. Peguei nos teus finos braços, enfeitiçado que estava com o teu charme e levei-te rapidamente para o quarto, onde poderíamos saciar na maior das privacidades o desejo mútuo que nos assombrava.
Despi o casaco e, esquecendo-me da voz da professora, encostei os meus lábios aos teus. Foi então que, naquele ambiente confidencial, nos fundimos num só. Estava saciando aquele grande desejo e, de repente, soltei um longo suspiro: Chá de cidreira..., o meu favorito! (Domingos Figueiras)

Sónia Lapa

2 comentários:

Biblioteca disse...

É, sem dúvidas, um projeto de que muito nos orgulhamos e foi um grande prazer partilhá-lo com a Biblioteca Cacilhas-Tejo. Esperamos que seja o primeiro de muitas parcerias entre as nossas escolas.

Biblioteca disse...

É, sem dúvidas, um projeto de que muito nos orgulhamos e foi um grande prazer partilhá-lo com a Biblioteca Cacilhas-Tejo. Esperamos que seja o primeiro de muitas parcerias entre as nossas escolas.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Arquivo